Dividir para multiplicar

Não está distante a época em que proteger e acumular informações e práticas faziam de um docente alvo de reconhecimento e respeito entre seus pares. É claro que esta bagagem continua valorizada, mas ficou no passado a ideia de que não se pode compartilhar este conhecimento para ajudar no crescimento de outros colegas e da instituição em que se trabalha. Neste ano letivo que se inicia, uma boa ideia para escolas e gestores é organizar atividades de planejamento em que professores possam conversar para trocar ideias e experiências em busca de uma prática mais efetiva.

Vivemos em tempos de compartilhamento, coparticipação, cooperação. A oportunidade de produzir e intercambiar é um verdadeiro incentivo para o crescimento profissional. Saber compartilhar é uma competência de alto valor no mercado de trabalho e um dos maiores benefícios desta atitude é a solidificação de relacionamentos ricos entre os integrantes da equipe. Ao se apoiarem positivamente, professores inserem em suas instituições um ambiente cooperativo e eficaz.

Embora o tema da formação continuada seja recorrente entre docentes, muitas destas práticas não envolvem a alternativa de qualificar professores por meio do intercâmbio de experiências pessoais. Quando gestores incluem iniciativas do gênero no rol de atividades para planejamento do ano letivo, mais que fortalecer o ambiente de trabalho, estão permitindo que as práticas solicitadas pela Base Nacional Curricular (BNCC) – principalmente para o Novo Ensino Médio – sejam alcançadas.

A troca de vivências aumenta o reportório dos docentes e potencializa a aprendizagem colaborativa. Afinal, se este é um critério que professores precisam desenvolver em sala de aula, por que não deveriam aprender o mesmo no trato entre seus pares? A conversa interdisciplinar para comparação e adesão de diferentes métodos e possibilidades educacionais torna os currículos individuais inovadores e competitivos. Todos ganham: escola, gestores, professores e alunos.

Muitas vezes o professor só precisa de um empurrãozinho para começar a dividir e multiplicar seus conhecimentos, dando “star” a uma rede de compartilhamento com poder imensurável. Embora as práticas e possibilidades pedagógicas tenham características diferentes em cada escola, a troca é essencial para produzir “insights” que poderão transformar a atividade docente de um número considerável de professores. É claro que compartilhar casos do seu sucesso não significa guiar colegas imediatamente ao sucesso, mas pode girar a chave mental que os ajudará a encontrar seus próprios caminhos de vitória.

A atividade cotidiana de compartilhar soluções entre diferentes setores faz parte de um modelo horizontal de gestão adotado atualmente por grandes empresas. Parte-se do princípio que uma solução testada e comprovada pode ser adaptada para atender diferentes áreas de forma rápida e eficiente. Portanto, a docência colaborativa pode ser pensada de diferentes formas.

Organizando conversas gerais entre o grupo de docentes ou separando os professores em pequenos grupos para trocas e desenvolvimento de ideias, observação e reflexão. Neste último caso, cada grupo pode apresentar os resultados dos encontros em um evento em que todos os docentes estejam presentes. Os dividendos desta iniciativa certamente poderão ser observados nos resultados apresentados pelos alunos no decorrer do ano letivo, bem como no feedback de pais.

Por outro lado, este é caminho certeiro para o desenvolvimento de novas competências intelectuais e atitudinais entre profissionais, potencializando uma nova forma de pensar e construir conhecimentos. Voltar esforços para organizar atividades para este tipo de intercâmbio reforça o papel da instituição de ensino e de promoção da aprendizagem. Escolas e gestores que decidem por estas práticas rompem paradigmas e demonstram predisposição de se inserirem com sucesso em novos modelos pedagógicos mais comprometidos com as tendências contemporâneas.

Que tal fazer uma tentativa nas próximas reuniões de planejamento? Os resultados podem ser muito mais extraordinários do que você teria imaginado a princípio, além de perdurarem por largo tempo. Sucesso!

Veja também:

Guia prático: Educação Maker

A “cultura maker” coloca as pessoas como protagonistas dos processos de criação, desenvolvimento e fabricação. O objetivo central de implementar uma “educação maker” em escolas

Leia mais